HISTÓRIA

No inicio do século 19 era uma terra desabitada que pertencia ao município de Sabará, conhecido como Arraial Nossa Senhora do Bom Sucesso e Almas do Rio das Velhas (hoje barra do guaicuí), o primeiro nome que se ouviu falar por ali foi do Senhor Liberato Nunes de Azevedo, que no lombo de seu burro transportava vários tipos de suprimentos para abastecer Montes Claros, Diamantina, Brasília de Minas, Sabará e Coração de Jesus, ele sempre parava para descansar no ribeirão Maria Grande hoje São Gonçalo das Tabocas.  Apaixonado pela beleza do lugar e pelo clima da região ele resolveu fazer um rancho para se abrigar e abrigar os amigos tropeiros que também descansavam as margens do córrego. Os amigos de Liberato, com o tempo foram também instalado suas famílias e aquela terra desabitada que pertencia à Sabará começa a ganhar um novo povoado. 
Conta a lenda, que nesta região, um homem estava caminhando sobre um tabocal que acabava de ser varrido por um incêndio, e encontrou uma imagem de São Gonçalo em uma única moita de tabocas que não tinha sido queimada, neste local Liberato Nunes de Azevedo construiu uma capela para o  santo que ganhou fama na região depois que a população local construiu uma igreja em outro lugar do povoado, mas a imagem do santo desaparecia da Igreja e retornava para sua capela, lugar onde foi encontrado na moita de tabocas. Os boatos do Santo "atentado" percorreu toda região, com isto o lugarejo ficou conhecido por São Gonçalo das Tabocas e se tornou distrito pela resolução provincial 30/01/1833 passando a pertencer ao município de Curvelo. São Gonçalo das Tabocas abrangia toda a região que hoje são os municípios de Pirapora, Barra do Guaicuí, Várzea da Palma e Lassance. 
                                                   
A sede do Distrito São Gonçalo das Tabocas era a região que hoje é a cidade de Lassance, pelo fato do santo ter sido encontrado aqui na cidade, mais precisamente nas proximidades da fazenda que hoje é de Propriedade do Senhor Gilberto às margens do córrego São Gonçalo, dentro do perímetro urbano de Lassance.

Durante o Século 19 foram feitas várias divisões de terra. O Distrito de São Gonçalo das Tabocas voltou a pertencer ao Arraial Nossa Senhora do Bom Sucesso e Almas do Rio das Velhas, depois volta a pertencer a Curvelo, em 1873 o Distrito São Gonçalo das Tabocas passa a pertencer o município de Jequitaí, e por fim, através do Decreto 30-A de 24/03/1890, criou-se o Arraial São Gonçalo das Tabocas e mudou a sede para onde hoje é a cidade de Pirapora.

Já no Século 20, com o prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil (E.F.C.B.), o Arraial São Gonçalo das Tabocas começou a ganhar mais população e acelerar o seu desenvolvimento.

Em junho de 1907 os trabalhadores da Estrada de Ferro Central do Brasil estavam paralisados às margens do Córrego Bicudo por causa de uma epidemia de malária, foi por esse motivo que a E.F.C.B. pediu intervenção do Governo Federal e o Instituto Manguinhos do Rio de Janeiro dirigido por Osvaldo Cruz, mandou um jovem médico mineiro sanitarista, malariologista, para acabar com a epidemia da malária, mas Dr. Carlos Justiniano Ribeiro Chagas identificou na região outra doença que estavam atacando aquela população que vivia em péssimas condições de higiene e solicitou do Instituto Manguinhos um estudo mais astucioso sobre o assunto. Várias famílias foram atendidas pelo jovem médico Dr. Carlos Chagas em seu vagão que no inicio servia de moradia e local de suas pesquisas, até a E.F.C.B. Construir um laboratório próximo as residências da E.F.C.B. que hoje funciona o Memorial Carlos Chagas. Ele trabalhava muito para descobrir o que estava acontecendo de errado com aquelas pessoas da região, até que com 2 anos de muitos esforços em seus estudos, Dr. Carlos Chagas no dia 15 de abril de 1909, anuncia ao mundo a descoberta de uma nova doença que atacava a região a "Doença de Chagas".   

Na mesma época foi construída a ponte ferroviária sobre o Córrego São Gonçalo das Tabocas (Maria Grande), e a Estação ferroviária que foi inaugurada em 28/02/1908, e recebeu o nome "Lassance", em homenagem a Dr. Ernesto Antônio Lassance Cunha engenheiro chefe da construção da E.F.C.B. pelo motivo da estação Lassance ser ponto de referencia do lugarejo a população apelidou com o de "Lassance".

Em 30 de agosto de 1911, cria-se o município de Pirapora com emancipação política em 01 junho 1912, dividindo o Distrito São Gonçalo das Tabocas em três partes, O município de Pirapora e os povoados São Gonçalo das Tabocas (Lassance) e Palmas Velhas (Várzea da Palma).
Com a lei estadual 843 - 07/09/1923, o povoado São Gonçalo das Tabocas se forma Distrito de Pirapora com o nome de "Lassance" em homenagem ao Engenheiro Chefe da E.F.C.B. Dr. Ernesto Antônio LASSANCE Cunha. 

Finalmente no dia 12 de dezembro de 1953 Lassance foi emancipada pela lei estadual 1039/1953.

No dia 01 de janeiro de 1954 o senhor José Fernandes Diniz se tornou o administrador municipal e responsável por organizar a primeira eleição no município de Lassance que ocorreu no dia 03 de outubro de 1954 onde foi eleito o Senhor José Soares Dias como prefeito e Jamil Sader como Vice. Também foi eleita nesse dia a primeira Câmara de Vereadores como os senhores Ernani Pitangui de Oliveira, Cristovão Colombo Vita, Ailton Soares, Lourival Ferreira dos Santos, José Prado Gomes, Marciano Ernesto Gomes Carneiro, José Marciano Macedo, José Alves Prado e Geraldo Soares de Oliveira. Sendo assim tomaram posse no dia 01 de janeiro de 1955 a os primeiros governantes da Cidade de Lassance, que juntos formaram a aliança “Amigos de Lassance”. 

Desde então o município começou a se desenvolver com recursos da união foram se instalando escolas municipais assim como a do povoado de Santa Maria em 1955, na Fazenda Porto Farias em 1956, no Boqueirão em 1958, também em 1958 no dia 19 de julho foi inaugurado o SESP - Serviço Especial de Saúde Pública com onde trabalhou o Dr. Clóvis José de Souza e suas assistentes Maria da Conceição Luzia e Maria Augusta. No ano seguinte também foi instalada escola municipal na Fazenda Lavadinho. Já na administração de Ernani Pitangui foi criado o Grupo Escolar Carlos Chagas pelo decreto 7822 de 24/08/64, e foram instaladas escolas municipais na comunidade do Tira barro em 1964 e em 1966 na Fazenda Barro Branco, ainda em 1966 foi construído em Lassance o primeiro prédio da Câmara Municipal e a igreja matriz Nossa Senhora do Carmo foi reformada onde por iniciativa do Senhor José Humberto Braga foi instalado alto falante na igreja. Em 1967 conforme Lassance vai ganhando mais comunidades mais escolas foram instaladas, na Comunidade Gentio e Fazenda Piedade e em 1969 na Comunidade Jatobá.

Em 1970, o ramal ferroviário onde transportava passageiros de Corinto a Pirapora que passava em Lassance foi desativa, recentemente foi ativada em 2010 pela Ferrovia Centro Atlântica para o transporte de grãos.

Em 1971 com a administração de Ailton Soares, foi inaugurada em 20 de julho a rede de abastecimento de água para a cidade do Córrego São Gonçalo das Tabocas e é assinado com a CEMIG o convênio para iluminação da Cidade e por mais uma iniciativa de José Humberto Braga junto com Marconi Edson de Oliveira Melo trouxeram para Lassance o sinal de TV Globo e TV TUPI.

Sob a administração do Agenor dos Santos Ferreira foram construídas mais escolas municipais no Tira Barro e no GAMA em 1974 e no dia 28 de fevereiro de 1975 é inaugurada a iluminação elétrica da Cidade
.
Em 1977 novamente sob administração de Ailton Soares foi construído a BR 496 com asfalto, também foi criado à bandeira, o hino e o Brasão Municipal com desenho e projeto de Ramon Divailton Soares, as cores da bandeira são o AMARELO que simboliza a riqueza e a grande reserva calcária do município, BRANCO que representa a paz, pureza e liberdade e o AZUL que representa justiça, nobreza, perseverança e zelo que caracteriza o povo lassancense e ao centro da bandeira o brasão com um triangulo com o rio das velhas, a famosa “praia do Lucas” em Lassance e a serra do cabral ao fundo, no lado esquerdo um desenho que representa a pecuária e o fumo e no lado direito um desenho de pedras que representa o calcário e o quartzo e o desenho do milho, todos representando as riquezas do município de Lassance e em baixo uma faixa vermelha que simboliza a data de emancipação política de Lassance. Ainda nesta administração em 1978 à 1980 foram iniciadas obras de iluminação das comunidades rurais de Barro Branco, Boqueirão, Brejo, Cotovelo, Palmeiras, Muquém, Cimental, Santa Maria. Também foram construídos posto de saúde e poços artesianos no Barro Branco, Brejo. Escola municipal na Fazenda Vereda Comprida e na Fazenda Perdizes, Instalação do órgão Municipal de Educação e a Construção da sede da Escola Estadual Carlos Chagas. Também foi iniciada o asfalto na cidade na Avenida Sebastião Gomes de Oliveira e rua 18 e em 1981 foi inaugurado o primeiro posto telefônico da Cidade. 

No dia 19 de maio de 1987, foi inaugurada a Escola Estadual José Soares Dias de 1º grau de 1º à 4º Série.

Em 28 de julho de 1998, foi feito o tombamento municipal da Estação Ferroviária Lassance, a Casa da Saúde Dr. Carlos Chagas e o Laboratório de Carlos Chagas que hoje é Memorial Carlos Chagas.

Com a administração de Cristóvão Colombo Vita Filho em 2001, foi criada a Área de Proteção Ambiental Serra do Cabral com pouco mais de 80.000 hectares divididos em área de agropecuária e reserva de vida silvestre. Em 2002 no dia 02 de agosto foi inaugurado o Memorial Carlos Chagas através de convenio com IEPHA e do BDMG Cultural e acervo doado pela FIOCRUZ e Fundação Renê Rachou, projeto paisagístico do IEPHA e do artesão local Davi Alves da Silva. Já em 2004 foi inaugurado a Usina de Triagem e Compostagem de Lixo para que haja uma destinação correta de resíduos no município.


Neste ultimo século aquele velho povoado de São Gonçalo das Tabocas sofreu inúmeras modificações onde várias pessoas foram responsáveis pelo seu desenvolvimento que ocorreu de forma devagar mais que essencial para se formar uma região tranquila com uma natureza exuberante e com muitas tradições desde os traços deixados por tropeiros, assim como a culinária caipira, e os acontecimentos importantes e heranças deixadas por ilustres cientistas e engenheiros que entrarão para a história do Brasil, Lassance está muito longe de se tornar uma metrópole, mas é uma cidade maravilhosa para quem gosta de tranquilidade e de contemplar a natureza, onde habita um povo humilde e hospitaleiro e com um repertório de “causos” ricos em histórias e tradição.


Esta é a história da Cidade de Lassance/MG contada por Júlio Sérgio Rabelo, utilizando como referência as leis federais, estaduais, pesquisas in loco, na internet e no livro de Moisés Vieira Neto "Lassance - O berço histórico de Carlos Chagas".

Júlio Sérgio Rabelo


***

Doença de Chagas - Fonte Wikipédia

Dr. Carlos Chagas, capturou, classificou e estudou os hábitos dos anofelinos, mosquitos transmissores da doença, e examinou o sangue de animais em busca de parasitas. Assim, Chagas identificou no sangue de um sagui uma nova espécie de protozoário, ao qual deu o nome de Trypanosoma minasensis. Um engenheiro da ferrovia (Dr. Ernesto Antônio Lassance Cunha) alertou-o para a infestação de um inseto hematófago nas residências rurais, da espécieTriatoma infestans, conhecido como barbeiro, assim chamado porque suga o sangue das pessoas durante a noite, atacando principalmente o rosto delas por ficar mais exposto. Chagas levou alguns deles ao seu laboratório e percebeu que nos seus intestinos havia outros Trypanosoma minasensis, já numa fase evoluída.
Por Lassance não ter condições para uma pesquisa mais aprofundada, enviou alguns exemplares de barbeiros para Cruz, pedindo que os alimentasse em saguis  Um mês depois, foi comunicado da presença de tripanossomos no sangue dos animais. Voltou ao Rio de Janeiro para confirmar a pesquisa, e descobriu que não se tratava dos Trpanosoma minasensis, mas de uma nova espécie. Chagas chamou esse novo parasita de Trypanosoma cruzi; mais tarde batizou de Schizotrypanum cruzi, em homenagem a Oswaldo Cruz.
Retornando a Lassance, Dr. Carlos Chagas suspeitava que o parasita poderia causar algum mal aos outros animais e aos humanos, visto que o barbeiro estava sempre em lugares frequentados por pessoas e o hábito desse inseto em mordê-las. Recolheu amostras de sangue de um gato infectado em 14 de fevereiro de 1909 e, em 23 de abril do mesmo ano, descobriu o Trypanosoma em uma menina de três anos, chamada Berenice, que apresentava febre e anemia. Tal tripanossoma foi o segundo descoberto a causar uma doença, a tripanossomíase americana, pois até então o único confirmado é o causador da doença do sono, ou tripanossomíase africana, transmitida pela picada da mosca tsé-tsé.
Também observou inclusões parasitas no cérebro e no miocárdio dela, que poderiam explicar algumas manifestações clínicas em pessoas doentes. Para completar seu trabalho sobre a patologia da nova doença, o cientista descreveu 27 casos de formas agudas e realizou mais de cem autópsias de pacientes que tinham a forma crônica da doença. Se concluiu, então, o ciclo da doença, tendo identificado o vetor (barbeiro), o agente causal (Trypanosoma cruzi), o reservatório doméstico (gato), a doença nos humanos (o caso de Berenice) e suas complicações. Ao longo da pesquisa, Chagas propôs algumas complicações da doença que, mais tarde, mostraram-se equivocadas. Exemplo disso foi ao anunciar que o bócio era um sintoma da tripanossomíase americana. O trabalho que Chagas realizou foi o primeiro e o único na história da medicina, descrevendo completamente a nova doença infecciosa: anatomia patológica, o meio de transmissão (Triatoma infestans), etiologia, suas formas clínicas e sua epidemiologia.
Repercussão da descoberta
A descoberta da doença foi levada ao conhecimento da comunidade científica através de uma nota prévia escrita por Chagas em 15 de abril de 1909 e publicada na Revista Brasil-Médico em 22 de abril. No mesmo dia, Oswaldo Cruz anunciou formalmente a Academia Nacional de Medicina, que decidiu levar a Lassance uma comissão para verificar o trabalho. Miguel Couto, presidente da comissão, sugeriu que a nova doença se chamasse Doença de Chagas, mas o próprio Carlos Chagas preferia chamar a doença como tripanossomíase americana.
Na Europa o trabalho teve repercussão em revistas científicas, em especial na Alemanha e na França, pois esses países tinham interesses em doenças tropicais, visto que a tripanossomíase africana vinha prejudicando o plano imperialista em tal continente.
Em agosto de 1909 Chagas publicou o primeiro volume da revista do Instituto de Manguinhos, Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, um estudo completo sobre a doença de Chagas e o ciclo evolutivo do protozoário que causa da doença. Esse trabalho garantiu a ascensão do cientista na instituição, sendo promovido a "chefe de serviço" em março de 1910.
Em 26 de outubro de 1910, a Academia Nacional de Medicina reconheceu formalmente o trabalho realizado pelo cientista e o recebeu como membro honorário, já que tal entidade não dispunha de lugares vagos no momento. Nessa solenidade, Chagas proferiu a primeira conferência sobre a doença. Em 1911 divulgou os resultados à Sociedade de Medicina e Cirurgia de Minas Gerais e, em agosto, uma segunda conferência à Academia Nacional de Medicina. Nesse mesmo ano ocorreu a Exposição Internacional de Higiene e Demografia, em Dresden, Alemanha, onde, no pavilhão brasileiro, foi mostrado a doença, que despertou grande público (Vídeo Mostrado de Exposição). Em 1912 foi a vez da classe médica paulista recebê-lo para uma apresentação sobre a doença descoberta em Lassance.
O estudo da moléstia avançou nas décadas de 1940 e 1950 através do Instituto Oswaldo Cruz, no município mineiro de Bambuí.



***


Hoje em Lassance os prédios construídos na época em que Carlos Chagas residiu aqui ainda estão de pé representando a história do nosso povo:



O famoso Memorial Carlos Chagas foi restaurado pela Prefeitura, IEPHA e BDMG Cultural em 2002, inaugurado em 09 de agosto de 2003. Instalado no antigo Consultório e Laboratório construído pela Estrada de Ferro Central do Brasil em 1907, aqui o Médico e Cientista Dr. Carlos Chagas iniciou suas pesquisas sobre a Doença de Chagas e atendia os pacientes da região. No local, são exibidos documentos e  equipamentos utilizados por Carlos Chagas, ferramentas de época utilizadas para combater a doença,  amostra do barbeiro, assim como toda a história de Dr. Carlos Chagas e Descobrimento da Doença. 











Venha nos fazer uma visita!

A Casa de Saúde Carlos Chagas foi construída pela E.F.C.B, primeiramente (1907) era a residencia do Engenheiro Chefe da Construção Dr. Ernesto Antônio Lassance Cunha e em 1909 foi cedida para o Dr. Carlos Chagas para também servir de moradia e Hospital após a descoberta da Doença de Chagas.
Este casarão é um bem histórico federal tombado pelo IPHAM e pela Lei Municipal 756/1998. 




Existem também em Lassance vários outros atrativos que lembram a época de Carlo Chagas em Lassance, assim como:

Estação Ferroviária Lassance foi inaugurada em 27 de fevereiro de 1908 pela Estarda de Ferro Central do Brasil, recebeu o nome Lassance em homenagem ao Engenheiro Chefe da Construção Dr. Ernesto Antônio Lassance Cunha. Desde então o povoado São Gonçalo das Tabocas, ganhou o apelido de Lassance até receber oficialmente o nome quando se tornou distrito de Pirapora em 1926.
A Estação é um bem histórico federal tombado pelo IPHAM e pela Lei Municipal 756/1998. 



Funcionários da Central do Brasil na Estação de Lassance em 1909

A Igreja Nossa Senhora do Carmo, conforme informações de José Vita, a construção original foi em 1900, pela iniciativa do Sr. Manoel de Oliveira e Silva um homem muito religioso que ministrava os ensinamento de catecismo na região.
Fonte: Livro de Moisés Vieira Neto - Lassance "O Berço Histórico de Dr. Carlos Chagas




A Avenida Franklin Quinta e Silva (Atualmente Av. Serra do Cabral, alterada pela lei municipal 1018/08) foi a primeira avenida de Lassance, nela ainda pode encontrar várias casas de quando Lassance ainda era apenas distrito.






A CRUZ DO MORRO
Com iniciativa do Sr. Manoel Correia de Amorim, que recorreu aos amigos Elpidio Soares, Chiquinho Soares Altivo, Vilú, Emílio Velho, Chico Boas, Manoel Cesário, Firmino Gonçalves e outros carpinteiros, o Sr. Manoel conseguiu a madeira com o Sr. José Hermógenes e foi transportada por Izidoro Ramos de Santa Maria até a Cidade. Após a construção da Enorme Cruz de Madeira e foi transportada para o morro com a colaboração de José do Prado com seu carro de boi (único veículo existente na época) onde foi erguida no dia 03 de maio de 1938 sob o fogos de artifícios e cânticos dos fiéis. 
Crônica escrita por Aílton Soares - Confira mais histórias sobre Lassance







Neste seus 60 anos de emancipação politica houve 15 eleições, durante esse tempo 12 homens e 1 mulher lideraram esta cidade e são os responsáveis pelo desenvolvimento da nossa casa e do nosso povo.
Conheça abaixo os prefeitos, seus respectivos vices e o tempo de sua administração. 





Administração: 01-01-55 a 30-01-59

Prefeito: José Soares Dias
Vice: Jamil Sader




Administração:31-01-59 a 30-01-63

Prefeito: Marciano Ernesto Gomes Carneiro
Vice: Ernani Pitangui de Oliveira





Administração: 31-01-63 a 30-01-67

Prefeito: Ernani Pitangui de Oliveira
Vice: Lourival dos Santos Ferreira




Administração: 31-01-67 a 30-01-71

Prefeito: Lourival dos Santos Ferreira
Vice: Marconi Edson de Oliveira Melo




Administração: 31-01-71 a 30-01-73

Prefeito: Aílton Soares
Vice: Waldemar Alves dos Santos




Administração: 31-01-73 a 30-01-77

Prefeito: Agenor dos Santos Ferreira
Vice: Raimundo Ramos de Oliveira




Administração: 31-01-77 a 30-01-83

Prefeito: Aílton Soares
Vice: Albertino Viana





Administração: 31-01-83 a 31-12-88

Prefeito: Marconi Edson de Oliveira Melo
Vice: Ranulfo Venâncio Rodrigues






Administração: 01-01-89 a 31-12-92

Prefeito: Marcos Antônio Ferreira
Vice: José Humberto Braga





Administração: 01-01-93 a 31-12-96

Prefeito: José Humberto Braga
Vice: Moacir Rabelo




Administração: 01-01-97 a 31-12-00

Prefeito: Albertino Viana
Vice: Cristóvão Colombo Vita Filho


Administração: 01-01-01 a 31-12-04

Prefeito: Cristóvão Colombo Vita Filho
Vice: Antônio Carlos de Moura

Administração: 01-01-05 a 31-12-08

Prefeito: Cristóvão Colombo Vita Filho
Vice: Ronaldo Augusto Bezerra



Administração: 01-01-09 a 31-12-12
Prefeito: Idson Fernandes Brito
Vice: Cléia Ferreira Rabelo Soares

Administração: 01-01-13 a 03-04-14
Prefeito: Idson Fernandes Brito
Vice: Cléia Ferreira Rabelo Soares






Administração: 04-04-14 a 31-12-16
Prefeita: Cléia Ferreira Rabelo Soares



Administração: 01-01-2017 a 31-12-2020
Prefeito: Paulo Elias Rodrigues
Vice: Benvindo








CURIOSIDADES

No dia 05 de julho de 1925, O senhor Kalil Sader Instalou o Cartório de Registro Civil, no dia 08 de julho foi realizado o primeiro registro de casamento do Senhor José Bruno de Carvalho e Maria Augusta de Oliveira e no dia 14 de julho foi registrado o primeiro nascimento de um menino com nome de Geraldo, filho de Estevão Rodrigues de Souza e de Ludigéria Adriano da Silva.

Em 1932 foi instalada a Agencia de Correios onde a Senhora Ceci Nunes Soares foi nomeada Agente de Correios, a Senhora Ceci também foi a 1º das Primeiras Damas, veio a falecer em Lassance em 2015.

No dia 05 de julho de 1981 morreu com 74 anos em Pirapora a Berenice, primeira pessoa a ser diagnosticada com a doença de chagas em Lassance em 1909 pelo Dr Carlos Chagas.

Em 2012, LASSANCE ganhou o prêmio da categoria Pesquisa e Inovação Tecnológica com o Projeto do IPEL - Instituto de Pesquisas e Estudos de Lassance, "Sustentabilidade com Unidades de Captação: Melhor Destino das Águas Pluviais".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...